Cultura e compreensão da escravidão no Brasil

No dia em comemoração a Abolição da Escravatura o Colégio Progressão – Unidades Taubaté e Pindamonhangaba – organizou uma apresentação com os alunos.

No dia 13 de maio comemorou-se o Dia da Abolição da Escravatura e o Colégio Progressão – Unidades Taubaté e Pindamonhangaba – organizou uma apresentação com os alunos.

Em Pindamonhangaba, após todos cantarem o Hino Nacional com a bandeira do Brasil hasteada, as professoras Glauciani e Daiana declamaram, junto com as crianças do Infantil, o poema Abolição da Escravatura (autor desconhecido). As meninas estavam caracterizadas de princesa (para homenagear a Princesa Isabel, que assinou a Lei Áurea em 13 de maio de 1888, determinando a libertação dos escravos) e os meninos estavam caracterizados de escravos.

O professor Marcos, em Taubaté, organizou uma demonstração de capoeira, expressão cultural brasileira desenvolvida no Brasil por escravos africanos e seus descendentes. A capoeira mistura luta, dança, cultura popular, música, esporte, artes marciais, elementos africanos e até brincadeira, ao som de berimbau, pandeiro e atabaque. Foi um instrumento importante da resistência cultural e física dos escravos brasileiros. As meninas fizeram uma apresentação de dança. Todos os alunos pesquisaram e apresentaram cartazes sobre comidas, instrumentos e outros bens que o Brasil herdou dos escravos.

A escravidão fornece uma chave fundamental para a compreensão dos problemas sociais, econômicos, demográficos e culturais ainda existentes na atualidade. Esta data comemorada na escola e na sociedade é um marco para refletirmos sobre a realidade brasileira, sobre a história e sobre as conquistas populares.

Compartilhe esse conteúdo

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn