Exposição às telas x Qualidade de vida das crianças – Projeto ‘Famílias em Ação’ | Unidade Taubaté

Nesta segunda feira (03), os pais e responsáveis dos alunos do 1º ano do Ensino Fundamental dos períodos manhã e tarde da unidade Taubaté participaram da primeira atividade do projeto ‘Famílias em Ação’.
A ação visa conscientizar os pais, os responsáveis e todas as pessoas do convívio das crianças sobre a importância do brincar e da prática de atividades físicas aliados ao processo de aprendizagem.

Em tempos de rotina cada vez mais atribulada e interferência constante dos meios digitais, o projeto também busca trazer a reflexão sobre como o tempo em família é aproveitado, estimulando ainda mais a participação de pais e responsáveis em momentos longe das telas junto às crianças, bem como procura incentivar o aprendizado fora de sala de aula, inclusive em momentos de lazer.

Toda semana, dois alunos sorteados – sendo um de cada período – levarão uma bolsa para casa com brinquedos que incentivam o desenvolvimento de diferentes habilidades. Toda a família está convidada a participar ativamente das brincadeiras e registrar os momentos, enviando as fotos para o e-mail projetos2@progressao.com. Todas as imagens irão compor um mural ao fim do projeto.

Telas x Qualidade de Vida

De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria, pesquisas revelam que o uso precoce e não supervisionado de aparelhos eletrônicos – como celulares, tablets, televisão e videogames, por exemplo – causam prejuízos cognitivos, físicos e psíquicos. A pediatra Dra. Maria Estela Dal’Lara Rahimen explica que ter essa preocupação pode evitar problemas a longo prazo e que é preciso atenção constante ao tempo utilizado pelas crianças em aparelhos eletrônicos. “Os estudos recentes mostram que longos períodos de exposição [à telas] vêm causando alguns problemas que não eram tão comuns em crianças, como obesidade, diabetes, pressão alta(…). Além disso, os estudos mostraram problemas na visão, por ficar muito tempo contraindo a musculatura ocular, o que também diminui o tempo que você tem para brincar. Isso acarreta consequências e não é uma coisa legal para o futuro deles”, pontua a médica.

Ainda segundo a especialista, o melhor método para a aprendizagem é fazer a soma entre os estudos, as atividades físicas e os momentos de lazer. “A prática de exercícios físicos é boa, porque libera hormônios, como a endorfina, o que melhora a autoestima, a imunidade, o rendimento, a concentração e a fixação de conteúdos escolares. Na diminuição do estresse e da ansiedade, se favorece o estudo (…) Se [a criança] está brincando, ela não tem tempo de ficar na frente da televisão”, explica.

Recomendação

A Sociedade Brasileira de Pediatria recomenda a dosagem de tempo em que as crianças e jovens são expostos a telas:

* Crianças menores de dois anos – nenhuma exposição diária;
* Crianças de dois à cinco anos – no máximo uma hora por dia;
* Crianças a partir de cinco anos – no máximo duas horas por dia.

Confira as fotos da apresentação do projeto:

Projeto Famílias em Ação | Unidade Taubaté