Crise econômica afasta treineiros da Fuvest

Principais responsáveis pela queda de inscrições da Fuvest 2005, os treineiros (estudantes que prestam vestibular apenas para treinamento) deixaram de se inscrever nos exames deste ano por causa do preço da inscrição (R$ 93 + R$ 7 do manual). A avaliação é do professor Roberto Costa, coordenador da Fuvest.

“Os alunos com dificuldades financeiras não querem mais pagar por algo que não vale nada para eles. Essa foi a razão para muitos terem deixado de se inscrever neste ano”, explica o professor.

Dados divulgados pela Fuvest nesta quinta-feira (28) indicam que o exame deste ano terá 15,8% menos treineiros do que o ano passado. São 12.551 estudantes decidiram insvestir R$ 100 para treinar neste ano contra quase 15.000 no ano passado. O número de candidatos reais também caiu 0,6%, de 141.993 no ano passado para 141.317 neste ano.

Costa também vê razões econômicas para o fato de cursos tradicionais como direito e medicina terem diminuído o número de inscritos neste ano. Os dois cursos, que ainda seguem como os mais procurados da USP, apresentaram queda de 13% e 12%, respectivamente, no processo seletivo para 2005.

 

“É uma tendência que vem sendo verificada nos últimos anos e que está sendo constatada mais uma vez. Os alunos estão observando que há advogados demais no mercado e que os médicos já não ganham o que ganhavam no passado”, explica Costa.

Sobre o crescimento da procura por cursos como letras e psicologia, o professor faz uma análise distinta para cada caso. Segundo Costa, letras é procurado pelo alunos de baixa renda, que vêem no curso a possibilidade de entrar e sair da USP mais fácil. O curso de letras teve crescimento de 3%.

“Infelizmente não se trata de nenhum revolução literária no país, os alunos procuram a carreira de letras por uma questão pragmática”, afirma o professor

Quanto ao curso de psicologia, Costa diz que esse curso está atualmente na moda. “Hoje em dia se fala muito em terapias, e isso ajuda muito a popularizar a psicologia”.

Fonte: UOL

Compartilhe esse conteúdo

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn