Ensino municipal e privado serão avaliados

O governo do Estado quer incluir os alunos das redes de ensino municipal e particular no Saresp (Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo). Até o ano passado, o Saresp era aplicado apenas na rede estadual.

 

A proposta para que as escolas municipais e particulares participem da avaliação foi feita esta semana em uma reunião em São Paulo com representantes das redes municipal e particular de todo o Estado.

 

A prova que será aplicada para os alunos do ensino fundamental e médio está marcada para o dia 25 de novembro. O resultado da avaliação deverá ser divulgado em fevereiro de 2005.

Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria Estadual da Educação, o secretário Gabriel Chalita quer melhorar a qualidade do ensino no Estado com a maior abrangência da avaliação.

As secretarias de Educação de São José dos Campos e Taubaté informaram que aprovam a ampliação da avaliação para a rede municipal.

 

A assessoria da Secretaria Estadual da Educação informou que os municípios e escolas particulares que quiserem aderir ao Saresp devem aderir ao programa até as 17h de amanhã.

A avaliação consiste em uma prova de 30 questões, uma redação e um questionário sócio-econômico e cultural sobre o aluno.

Segundo o governo estadual, o questionário ajuda a identificar se os resultados obtidos na prova tem relação com as condições sociais do estudante.

O Estado informou que tudo o que é verificado na avaliação é usado para melhorar a qualidade de ensino.

APROVAÇÃO – A secretária da Educação de São José dos Campos, Maria América de Almeida Teixeira, disse que o município deve aderir ao Saresp. “É importante sabermos o nível do nosso ensino com relação ao ensino estadual e particular”, afirmou Maria América.

Ela disse que a avaliação deverá ser feita com os 33 mil alunos dos ciclos 1 e 2 do ensino fundamental (antigo primeiro grau).

 

Segundo ela, no início do ano o município fez uma avaliação com os estudantes a partir da segunda série do ciclo 1. “As avaliações sempre ajudam a melhorar a qualidade do ensino.”

O diretor de Educação da Prefeitura de Taubaté, José Benedito Prado, disse que a avaliação é válida.

“O governo só precisa ter o cuidado de elaborar uma prova com base no conteúdo curricular de todas as redes de ensino”, afirmou Prado.

Ele disse que o município não possui nenhuma avaliação oficial, mas que são aplicadas provas para grupos de alunos para analisar o nível do ensino.

Fonte: Jornal ValeParaibano

Compartilhe esse conteúdo

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn