INESQUECÍVEL! Aventureiros contam como foi o passeio ao Pico da Bandeira

Experiência maravilhosa! É assim que o professor João Paulo resumiu a experiência de caminhar pelas trilhas na Serra do Caparaó e chegar ao maior pico em território brasileiro.

A aventura ficou por conta do imprevisto: uma frente fria atingiu a região de Alto do Caparaó (MG) logo no primeiro dia do passeio. O frio em -3 graus (três graus negativos!) inicialmente assustou os aventureiros que procuravam se aquecer no maior número de blusas, calças e meias possíveis.

O momento de maior tensão começou ao acordar às 2h da madrugada para caminhada de três horas em direção ao topo. O grupo de 21 pessoas se dividiu em 3 grupos. A forte neblina na região atrapalhou a visibilidade e pouco se enxergava em menos de um metro, mesmo com a ajuda de lanternas. Um dos grupos se perdeu numa das trilhas.

 

Escorregões, cansaço e frio acompanharam o pessoal até o topo. A vista no Pico da Bandeira não foi das melhores. O vento forte e a intensa neblina obrigou o grupo a viver no espírito de comunidade. “Tivemos que compartilhar até mesmo o calor do corpo”, relata o aluno Guilherme Fernandes, do Ensino Médio.

“A integração do grupo foi espontânea. Todo mundo se ajudando, compartilhando fogo, comida e roupa”, conta o coordenador do passeio, prof. Robson Salgado, que afirma ter sido a aventura mais dura que já fez ao Pico da Bandeira, tanto pelo vento quanto pela umidade. “A roupa ficou enxarcada. No último dia quem tinha mais roupa abriu mão pro outro não passar frio”, finaliza.

 

“Somente em situações como esta que vemos o lado humano das pessoas. É uma convivência que não vemos na cidade”, reflete João Paulo, que garantiu levar toda a sua turma na próxima viagem à Serra do Caparaó.

Por falar em próxima viagem… hoje (12/7) pela manhã era grande a movimentação do pessoal que participou da aventura e já estava querendo saber da próxima ida ao Pico da Bandeira. De acordo com o coordenador, o retorno já está agendado para julho de 2005.

 

FRASES

Peraí, Robinhoooooo… Peraí, Robinho…
Cleiton “Telesp” chamando pelo Robson a todo instante

Todo mundo deveria passar por essa aventura uma vez na vida.
João Paulo comentando a experiência

“Aí mundão véio, não acaba não.”
Cleiton “Telesp” na caminhada pelas trilhas

Tivemos que compartilhar até mesmo o calor do corpo.
Guilherme Fernandes, surpreendido pelo frio

Eu nunca pensei que ia dizer isso. Mas pelo amor de Deus, alguém me agarra por trás que eu tô com muito frio!!!
Marcelo, amigo do Cleito Telesp, no Pico da Bandeira ao vento e frio de “muitos graus negativos”

Compartilhe esse conteúdo

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn