LIBRAS Língua de Sinais ganha espaço no ensino do País

Após ter sido reconhecida oficialmente considerada disciplina obrigatória em cursos de formação para professores, a Língua Brasileira de Sinais (Libras) começa a ganhar o espaço determinado por lei.

Segundo informações do jornal O Estado de São Paulo, 500 vagas para graduação em Letras e Libras estão sendo ofertadas por instituições públicas de oito Estados. Além disso, o Instituto Nacional de Educação de Surdos (Ines) oferece um curso superior bilíngüe inédito no país.

A lei 10.436, de abril de 2002, determina que a Libras deve ser incluída também no currículo das licenciaturas e dos cursos de fonoaudiologia, pedagogia e educação especial. O ensino da linguagem é obrigatório tanto em instituições especiais quanto em escolas regulares. Especialistas afirmam que, para a lei ser cumprida, é necessário formar profissionais imediatamente e também forma intérpretes.

O Ministério da Educação observa que iniciativas são essenciais para ampliar o restrito grupo de pessoas com deficiência auditiva que hoje estão na universidade. “Embora as faculdades estejam abertas para receber as pessoas com deficiência auditiva, elas ainda não estão preparadas”, diz a diretora-geral do centro de referência do MEC na área de surdez, Stny Basílio Fernandes dos Santos.

As 500 vagas serão divididas em nove instituições, sendo 60 na UFSC, e o restante, em grupos de 50, ofertados pelas federais do Ceará, Amazonas, Bahia, Rio Grande do Sul e Santa Maria (RS), além das Universidades de Brasília (UnB) e de São Paulo (USP) e do Centro Federal de Educação Tecnológica de Goiânia.

Fonte: Portal Terra

Compartilhe esse conteúdo

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn