Parte 5: Fim da Vida

Lobato foi detido.

Em 1926 Monteiro Lobato foi para os Estados Unidos. Quando voltou ao Brasil, em 1931, acreditava nas riquezas naturais do país e na sua capacidade de produzir petróleo. Chegou a enviar uma carta ao presidente da república, Getúlio Vargas, na qual alertava-o para o interesse estrangeiro em negar a existência do “ouro negro” em solo brasileiro, motivo pelo qual ficou detido por três meses no presídio de Tiradentes.

Partiu para a Argentina após se associar à editora Brasiliense e lançar suas Obras Completas, com mais de 10 mil páginas em trinta volumes das séries adulta e infantil. Quando voltou de Buenos Aires, em 1947, se deparou com os desmandos do governo de Dutra, e indignado, escreveu Zé Brasil.

Nele, o Jeca Tatu, preguiçoso incorrigível, que Lobato depois descobriu como vítima da miséria, vira um trabalhador rural sem terra. Se antes o caipira lutava contra doenças endêmicas, agora tinha o latifúndio como seu pior inimigo.

Zé Brasil (1947)

(…)

Meu sonho, meu grande sonho,
É te terra pra pranta.
Uns alquere arranjadinho,
Onde possa me virá

(…)

A injustiça desse mundo
Inda tem que se acaba.
Os coroné tem a terra,
Nóis nem casa pra mora.

(…)

“Ao abrir os olhos, depois de um período de três horas de inconsciência causada por um primeiro espasmo vascular, em 21 de abril de 1948, Lobato, com 66 anos de idade, pergunta ao médico: ‘Quando foi que morri?’. O médico o reconforta e ele resmunga “Que pena ter de repetir isso. Pensei que já estivesse tudo acabado. Agora terei de recomeçar'”. (Wladir Dupont, A Vida)

Enquanto seus personagens seguiam na luta por um Brasil melhor, Monteiro Lobato sofreu dois espasmos cerebrais e, no dia 4 de julho de 1948, morreu aos 66 anos de idade.

Deixou uma imensa obra para crianças, jovens e adultos, com personagens que ficarão para sempre na memória de seus leitores.

Obras:

Literatura Infantil
1920 – A menina do narizinho arrebitado
1921 – Fábulas de Narizinho
1921 – Narizinho arrebitado
1921 – O Saci
1922 – O marquês de Rabicó
1922 – Fábulas
1924 – A caçada da onça
1924 – Jeca Tatuzinho
1924 – O noivado de Narizinho
1927 – As aventuras de Hans Staden
1928 – Aventuras do príncipe
1928 – O Gato Félix
1928 – A cara de coruja
1929 – O irmão de Pinóquio
1929 – O circo de escavalinho
1930 – Peter Pan
1930 – A pena de papagaio
1931 – Reinações de Narizinho
1931 – O pó de pirlimpimpim
1932 – Viagem ao céu
1933 – Caçadas de Pedrinho
1933 – Novas reinações de Narizinho
1933 – História do mundo para as crianças
1934 – Emília no país da gramática
1935 – Aritmética da Emília
1935 – Geografia de Dona Benta
1935 – História das invenções
1936 – Dom Quixote das crianças
1936 – Memórias da Emília
1937 – Serões de Dona Benta
1937 – O poço do Visconde
1937 – Histórias de Tia Nastácia
1938 – O museu da Emília
1939 – O Picapau Amarelo
1939 – O minotauro
1941 – A reforma da natureza
1942 – A chave do tamanho
1944 – Os doze trabalhos de Hércules
1947 – Histórias diversas

Temática adulta
O Saci Pererê: resultado de um inquérito (1918)
Urupês (1918)
Problema vital (1918)
Cidades mortas (1919)
Idéias de Jeca Tatu (1919)
Negrinha (1920)
A onda verde (1921)
O macaco que se fez homem (1923)
Mundo da lua (1923)
Contos escolhidos (1923)
O garimpeiro do Rio das Garças (1924)
O choque (1926)
Mr. Slang e o Brasil (1927)
Ferro (1931)
América (1932)
Na antevéspera (1933)
Contos leves (1935)
O escândalo do petróleo (1936)
Contos pesados (1940)
O espanto das gentes (1941)
Urupês, outros contos e coisas (1943)
A barca de Gleyre (1944)
Zé Brasil (1947)
Prefácios e entrevistas (1947)
Literatura do minarete (1948)
Conferências, artigos e crônicas (1948)
Cartas escolhidas (1948)
Críticas e Outras notas (1948)
Cartas de amor (1948)

ESPECIAL MONTEIRO LOBATO

Parte 1: Início da Carreira
Obras: Velha Praga / Urupês
Parte 2: Editor e Jornalista
Artigo: Paranóia ou mistificação?
Parte 3: Escritor Infantil
Obra: Reinações de Narizinho
Parte 4: Sítio do Pica-Pau Amarelo
Obra: O casamento da Emília
Parte 5: fim da vida
Obra: Zé Brasil
Parte 6: Um país se faz com homens e livros
Conclusão
Confira as fotos do Sítio do Pica-Pau Amarelo em nossa galeria.

Bibliografia

Compartilhe esse conteúdo

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn